Você está aqui: Página Inicial

Contexto

As características naturais e da ocupação humana na região Amazônica do Brasil expõem este território aos impactos de diversas ameaças associadas, principalmente, a eventos hidrometeorológicos extremos, tais como inundações, secas, erosão de solos e margens dos rios, desmoronamento de margens fluviais, tempestades com raios e ventos fortes. Diante de tantas adversidades climáticas que ocorrem na região, torna-se imperativo a organização e estruturação das informações hidrometeorológicas da Amazônia, para melhorar a confiabilidade dos dados, facilitar o seu manuseio, permitir a disponibilidade e o acesso em tempo real (ou da forma mais rápida) dos dados fluviométricos e meteorológicos para possibilitar o emprego de sistemas de monitoramento hidrometeorológicos por parte dos órgãos gestores. Estas ações, além de identificarem as áreas de risco nas cidades da Amazônia Legal, através do mapeamento das regiões vulneráveis, com a caracterização topográfica e ambiental, também possibilitariam, por meio do uso de modelos matemáticos ou estatísticos, avaliar e projetar as áreas sujeitas à ocorrência de desastres naturais hidrometeorológicos.

Sobre o SIPAMHidro

O SIPAMHidro é um projeto piloto que o Censipam vem desenvolvendo desde 2014, que objetiva fornecer informações de monitoramento e previsão dos níveis dos principais rios que compõe várias bacias hidrográficas da Amazônia Legal, entre essas as dos rios Amazonas, Tocantins e Araguaia. A concepção do SIPAMHidro é definida como um conjunto de tecnologias, metodologias e procedimentos operacionais, integrados em uma plataforma banco de dados capaz de fornecer a partir de seus módulos de monitoramento, análise, previsão e de informações espacializadas das condições hidrológicas e meteorológicas que estão ocorrendo nas grandes bacias e em bacias urbanas, possibilitando com isso, um aumento na eficiência e eficácia das respostas provenientes dos especialistas dessas áreas.

Figura da concepção do SIPAMHidro

Estrutura do SIPAMHidro

O SIPAMHidro é constituído por um conjunto de tecnologias, banco de dados, procedimentos, metodologias e especialistas voltados para gerar informação e conhecimento. O sistema está estruturado a partir de nove subsistemas operacionais de monitoramento e previsão: níveis dos rios, níveis dos reservatórios, chuva em grande bacia, enchente e inundação, radar meteorológico, chuva em bacia urbana, alagamento e inundação, descarga atmosférica e boletim e previsão hidrológica.

Figura dados

Todo o processo de geração de produtos desenvolvidos para o SIPAMHidro ocorrem a partir da integração geográfica de um conjunto de dados adquiridos em diversas instituições, tais como, das estações fluviométricas disponibilizados pela Agência Nacional de Águas (ANA) e Eletrobras; dos reservatórios das usinas hidrelétricas obtidos do Operador Nacional do Sistema (ONS), de tempestades severas gerados pelos radares meteorológicos do Censipam, das plataformas de coleta de dados meteorológicos do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), assim como, dos dados de precipitação disponibilizada pela National Centers for Environmental Prediction (NCEP) da National Oceanic and Atmospheric Adminstration (NOAA).

A partir do banco de dados concebido e estruturado para o SIPAMHidro, foram desenvolvidas aplicações automatizadas capazes de processar e gerar informações sobre Alertas de curtíssimo prazo de alagamento e inundações em bacias urbanas, como também, Previsões de curto e longo prazo de cheias e vazantes para os principais rios da Amazônia Legal, as quais, são devidamente analisadas por técnicos especialistas e posteriormente disponibilizadas para uso dos órgãos parceiros.

Figura dados

O o grande diferencial das informações geradas no âmbito do SIPAMHidro, está no fato do sistema ser capaz de identificar e dimensionar a extensão do impacto do desastre sobre as áreas urbanas influenciadas pelos eventos de alagamentos e inundações, seja ele provocado por tempestade severa ou pela cheia dos grandes rios.